Friday, November 10, 2006

Um surto: contraditório para petralhas e a divina Scarlett.


Prosseguindo em nossa campanha converta um petralha no próximo verão, aí vão os meios para se atingir um razoável equilíbrio analítico, em termos de se estabelecer o contraditório em questões rotineiras, relativas ao embate (???) esquerdo-diretóide (consultar Jung, que inventou o... psicóide !). Na verdade, estamos às voltas com um delicioso surto de implicância pedagógica, mas vá lá... Ah, antes que eu me esqueça, esse post vai, com todo respeito de Buffalo Bill por Touro Sentado (eles eram amigos, eles eram!), para nossa indignada-full-time-Juju.
Você adorou "Olga" e "Os diários de motoclicleta"? Leia o livro-reportagem de William Wack, Camaradas, em seguida ao Manual do perfeito idiota latino-americano, de Álvaro Vargas Llosa et alii. Acha que Stalin pirou (sífilis, essa burguesinha...) e traiu as idéias de Lênin e Paul Paul McCartney? No mesmo barco, o amarelo Mao, o afrancesado Pol Pot et caterva? Tente encarar O livro negro do comunismo, de Stéphane Courtois e Jean-Louis Margolin.
Tem como ponto pacífico que Marx era um cara cheio de boas intenções? Leia Paul Johnson, em Os intelectuais. Crê piamente que o barbudo alemão era um gênio da Filosofia? Procure um capítulo sobre ele na História da Filosofia de Júlian Marías. Depois, para destrinchá-lo visceralmente, vá de Raymond Aron, em O marxismo de Marx.
Detalhe importante: pegue esses textos com Chauí e Sader à mão. Afinal, é MESMO para chafurdar nas diferenças conceituais, sem dó. Se ficar muito caro comprar tanto livro, apele para a política educacional do Kaiser, que faz tudo pela boa leitura "nestepaiz". Há milhares de excelentes bibliotecas públicas - atualizadíssimas com o que há de melhor no planeta, desde os papiros de Cleópatra às confissões da Surfistinha! -, acolhendo pessoas ávidas por publicações de TODO o TIPO. Eis aí o espetáculo de crescimento intelectual!
Dica-bônus: tá de mau humor, tá ranzinza, tá cuspindo marimbondo? Alugue filmes dos Irmãos Marx, episódios das AbFabs, assista ao Monty Python ou veja A noviça rebelde de trás para frente porque dizem que é tremendamente esotérico!
Se tudo for inútil, reveja "...E o vento levou", especialmente as cenas em que a divina Scarlett O'Hara termina suas falas com a antológica expressão I won't think of it now.... I'll think of it tomorrow.
Marx, o Groucho

2 comments:

Anonymous said...

Inspiradíssima!

Claudia said...

Gostei da campanha mas devo admitir que é tarefa hercúlea...
Eles andam de antolhos, ainda estão presos na caverna de Platão.

Mas uma terapia de AbFab certamente faria esse povo rir, eles são muito mal humorados!

Beijos