Tuesday, November 14, 2006

Emirados Sáderes


Esta estória é miseravelmente sórdida, e demonstra quem é Emir sader.
Nós pegamos de Reinaldo Azevedo o seguinte:

"Um texto sobre os Emirados Sáderes
No clipping que faço do noticiário, não reproduzo textos na íntegra. Abro uma exceção para “Decifrando o enigma”, de Fernando de Barros e Silva, na Folha desta segunda:
Alguns leitores consideraram muito duras ou injustas as palavras que dirigi a Emir Sader na última segunda. Explico-me melhor e agrego novos fatos à discussão, cuja importância vai muito além da estatura do personagem. No texto do abaixo-assinado em solidariedade a
Sader se lê que a decisão do juiz visa "impedir o direito de livre expressão" e "criminalizar o pensamento crítico". Balela. O manifesto é oportunista e hipócrita. É oportunista porque quem aprova a execução dos dissidentes cubanos não pode ser a favor da
"livre expressão". São coisas excludentes -e isso é simples assim.
É hipócrita porque o petista mobiliza contra outro intelectual o mesmo instrumento que condena para si. Embora pouca gente saiba, Sader é testemunha de acusação de um processo em curso contra César Benjamin, vice de Heloísa Helena. Trata-se, como este que o senador Bornhausen move contra Sader, de um processo por calúnia e difamação. Quem acusa (ou tenta "impedir o direito de livre expressão" de) Benjamin é Ivana Jinkings, grande parceira de Sader e sócia da editora Boitempo. E por quê? Porque num e-mail de circulação restrita, escrito em 2004 e destinado ao próprio Sader, Benjamin narra como praticamente flagrou a dupla - que, segundo ele, fraudou uma licitação e superfaturou a publicação do livro "Governo Lula: Decifrando o Enigma". Resultado de um convênio com uma fundação alemã, a obra foi publicada pela Boitempo.
O caso está na Justiça e um dia seus detalhes sórdidos (são muitos) virão a público. Sem dúvida menor, esse episódio ilustra no entanto a deterioração e o cinismo de parte expressiva da esquerda brasileira.
Uma esquerda que se vale de manifestos e recorre à patota ao mesmo tempo em que invoca princípios para legitimar sua demanda por impunidade diante da lei e do público. Uma esquerda intelectualmente embotada, incapaz de refletir a sério sobre o alcance da vitória de Lula, tão mais problemática e passível de críticas do que sugerem os slogans triunfalistas repisados pelos que teriam a obrigação de pensar."

1 comment:

Claudia said...

Lindinha, vá lá no Reinaldo, ele descobriu os 'detalhes sórdidos'.
Beijos