Thursday, May 31, 2007

O pior congresso da nossa história!

















Já há algum tempo que venho batendo na tecla: ESTE É O PIOR CONGRESSO DA NOSSA HISTÓRIA. E isso não é pouca porcaria...Por isso adorei este texto do Villas-Bôas Corrêa no site No Mínimo:

O pior Congresso da história deste país

29.05.2007 | Não importa que a defesa do senador Renan Calheiros tenha mais furos que rede de pescador. E é pura perda de tempo catar as contradições e lacunas no seu depoimento: o presidente do Senado jamais correu qualquer risco.

Tal como em comédia burlesca ou em novelas de televisão, antes do primeiro capítulo o final está pronto na cabeça do autor. Por que infernizar a vida do presidente do Congresso, um dos líderes do PMDB que ajudou a tanger o partido para as pastagens do governo, de um companheiro sempre pronto a atender os pedidos dos colegas?

Depois, os antecedentes armam a grelha – ou o limpa-trilhos do preciso regionalismo alagoano – para o pouso do senador no fofo colchão da impunidade: o Congresso não tem autoridade para punir ninguém, nem deputado do baixo-clero, depois de consagrada a absolvição de dezenas de denunciados no festival de escândalos do Legislativo recordista, como nunca se viu igual na história deste país.

Por entre os felizardos premiados com os gasparinos da absolvição da ladroagem do caixa dois, das propinas do mensalão, nas trapaças apuradas pelas CPI dos Correios, das ambulâncias e de emplacada a máxima de que o voto que elege e reelege tem o generoso sentido do perdão do povo, o ilustre e empelicado representante de Alagoas desfila com o garbo de carneiro em parada.

A imprensa cumprirá o seu dever de catar contradições na defesa que parece armada com tela de galinheiro. Se os documentos exibidos nos 24 minutos de engasgada emoção não comprovam a origem do dinheiro que o pai pródigo gastou com a filha, fruto de uma relação extraconjugal, o senador arranjará outros. O lobista da Mendes Junior, o prestimoso amigo Cláudio Gontijo, deve dispor de pilhas de recibos para todas as serventias.

O presidente do Senado obedeceu ao figurino e comportou-se como recomendam as normas da Casa. À fila de senadores de todos os partidos que o afogaram nos abraços e sacudiram o pó com as palmadas nas costas e anteciparam o desfecho sabido, seguiu-se o blablablá da bazófia: tudo deve ser apurado para a exemplar punição dos culpados. Se for o caso, o rigoroso Conselho de Ética examinará as acusações e a defesa. E, na forma do louvável costume, o plenário do Senado garante a absolvição e a nova manifestação de solidariedade.

A esfuziante solidariedade pessoal ajusta-se ao modelo ético de novos tempos. Pipocam as justificativas para barrar a ressaca da indignação dos poucos que gritam e dos muitos que calam. Todas ou muitas de inegável oportunidade, como o financiamento público de campanha; a fidelidade partidária ou o fechamento dos ralos na elaboração do Orçamento.

Mas não se toca nem com o dedo mindinho nas causas reais da desmoralização do mais democrático dos poderes, como as semanas de dois a três dias úteis, as quatro passagens mensais para o fim de semana com a família, a orgia das mordomias, vantagens e benefícios, como a da inqualificável verba indenizatória de R$ 15 mil para as despesas dos quatro dias da folga semanal.

O ex-deputado federal e estadual, acadêmico Afonso Arinos de Melo Franco Filho, confessou a sua perplexidade: “Não consigo encaixar o meu pai neste Congresso.”

Puxamos o fio do saudosismo e fomos longe na especulação: não apenas o senador Afonso Arinos, o mais completo parlamentar desde o fim do Estado Novo. Para ficar em alguns exemplos: Milton Campos, Nereu Ramos, Gustavo Capanema, Aliomar Baleeiro, Bilac Pinto, Carlos Lacerda, Alberto Pasqualini, Odilon Braga, Daniel Krieger, Petrônio Portela, Thales Ramalho,

Paramos por aí. Silenciados pela vergonha.

Oriane

3 comments:

Frodo Balseiro said...

Oriane
Como nossa história ainda não terminou, acho que você esta sendo um tiquinho otimista demais!
"nessepaiz", sempre, o próximo congresso pode ser pior que o atual!
Abs
Frodo

PATRICIA M. said...

Vou confessar uma coisa: tem horas que fico pensando se nao seria melhor fechar essas casas de tolerancia...

pianomanga said...

Ola Oriane.
Quando iniciei o blog,procurei de alguma forma, mostrar minha indigna
cao com os politicos brasileiros mas passado algum tempo conclui que
nao tem mais jeito, a nao ser que
venha uma reforma politica de conte
udo radical, jamais sairemos desta letargia em que propositalmente os
politicos empurram o Brasil. Eu assisti ao vivo o depoimento-defesa
do renan, nao vi um nada de verdade
naquele pronunciamento fabricado,e
no final,apos os aplausos o senador
romero juca ainda pediu que fosse
encerrada a sessao para que o renan
fosse cumprimentado por seus pares
ai eu pensei: E muito deboche,e sai
da sala. Oriane nao podemos nos es
quecer que renan era da quadrilha
do collor, logo entao dedus-se...
Forte abraco e boa noite.