Sunday, May 06, 2007

Vai trabalhar vagabundo!!!


O artigo hoje do Ubaldo tinha alguns trechos primorosos que merecem ser reproduzidos:

O presidente da República, que encarna uma perigosíssima combinação de inteligência, esperteza e ignorância, ruim para ele e péssima para nós, disse outro dia que chegar à Presidência é ´o ápice do ser humano´. E acrescentou: ´Não tem nada além disso´. Por boa vontade, atribuo a afirmação à incultura e não à pobreza de espírito e valores de quem, aparentemente, se julga à altura, ou mais, de Péricles, Aristóteles, São Jerônimo, Galileu, Santo Inácio de Loiola, Isaac Newton, Churchill e muitos outros de tope semelhante.
... Não há praticamente transferência de renda alguma, exceto a tirada da classe média, que, ao que tudo indica, no ver de alguns compositores, jornalistas e palpiteiros gerais, devia ser toda fuzilada, ou condenada a trabalhos forçados ou a dar tudo logo ao governo e ir para a classe dos pseudo-mamantes. É esse o Estado que somos, o Estado úbere e o Estado esmoler. E, como aconteceu com a CPMF, o Bolsa-Família será eterno. E, mais ainda, se quem o criou anunciar que seu sucessor vai acabar com ele, haverá quase certa sublevação, talvez seguida de uma solução de emergência, para superar a crise. Uma solução plebiscitária, com a pergunta sobre se queremos mais uns dez anos do mesmo presidente. O Bolsa-Família o leva à vitória outra vez e bem que ele pode tornar-se mesmo imperador, Sua Majestade Inácio Lula I, II, III, IV e V, o maior imperador do mundo desde Nabucodonosor da Caledônia.


É isso aí: o voto obrigatório é usado como justificativa para legitimar este bando de ladrões que está assaltando nosso estado ( sempre com minúscula). E já usaram a eleição para justificar a pizza dos mensaleiros. A justificativa é que eles foram absolvidos pelo voto popular.
Como nós sabemos, o voto popular é extraído à força de uma massa ignorante que leva em conta apenas aquilo que o poder da propaganda e das benesses governamentais lhe oferece. Para o governo Lula os beneficiários do bolsa família são apenas uma massa de manobra que vota nos candidatos que prometem manter a bolsa-reeleição apenas para se perpetuar no poder.
E a classe média é a única que resta como "inimiga do povo", afinal só sobramos nós para reclamar dos impostos. E reclamar dos impostos hoje em dia é reclamar, indiretamente, da esmola vergonhosa do bolsa família e do salário dos cumpanheiros. Eles não deviam sentir tanta raiva da gente, somos nós que os sustentamos. E, realmente, são impressionantes as matérias e cartas dos esquerdopatas: todas acusam a classe média de reacionária para baixo. A única verdade que essa gente não quer ver é que não aguentamos mais sustentar vagabundos...

Oriane

3 comments:

PATRICIA M. said...

Oriane, tendo a discordar um pouco em relacao a classe media. A classe me(r)dia brasileira nao vale (quase) nada, talvez um pouco mais apenas que a plebe ignara massa de manobra dos politicos. Pois nao eh a querida classe media que ocupa os cargos publicos, que mama nas tetas do estado e que quer cada vez mais cargos publicos? Nao eh a querida classe media que ocupa os postos das universidades e eh a favor do governo petralha? Nao eh afinal de contas a querida classe media a classe mais bovina do pais?

*desculpa por utilizar o tempo todo a expressao bovina, mas eh que adorei essa expressao, e cada vez que a utilizo me vem a mente a brazucada bovina, pastando em campo esplendido, hahahaha.

A Furiosa said...

Tem razão Patrícia,
a nossa classe mérdia é bestial...
Mas daí a ser culpada por tudo também não é nada bom...
E a expressâo "bovino" é ótima: Heráclito já a usava (de outra forma).

JÚLIO SILVA CUNHA said...

O poder é um afrodisíaco que até um sindicalista gosta de provar!
J.